Casos de sarampo no Brasil chegam a 2.753 desde junho, com 4 mortes, diz Ministério da Saúde

PARCEIROS DO SITE


 

Casos de sarampo no Brasil chegam a 2.753 desde junho, com 4 mortes, diz Ministério da Saúde

Vacinação contra sarampo em Uberaba (MG) — Foto: Prefeitura de Uberaba/Divulgação
Vacinação contra sarampo em Uberaba (MG) — Foto: Prefeitura de Uberaba/Divulgação
O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira (4) que os casos de sarampo no país totalizam 2.753 desde junho, quando um novo surto da doença teve início. Os estados de São Paulo e Pernambuco, juntos, registraram quatro mortes. Foram três mortes no estado de São Paulo, sendo duas crianças e um adulto, e uma criança no estado de Pernambuco. Além disso, 98,37% dos casos (2.708) ocorreram no estado de São Paulo. As informações foram divulgadas pelo secretário de Vigilância em Saúde da pasta, Wanderson Kleber de Oliveira, em Brasília. Segundo ele, é importante separar os dados do surto atual dos números daquele que ocorreu no início do ano na região Norte do país, que durou até maio. "Esses dados são colocados separadamente, pois estamos trabalhando com surtos ativos, com cadeias ativas", explica o secretário. Um dado consolidado, unificando os dois momentos da doença no Brasil ao longo do ano, deve ser divulgado na semana que vem.

Indicações sobre vacinação


O ministério já enviou aos estados 1,6 milhão de doses extras da vacina contra sarampo. Mas anunciou a compra de 28,7 milhões de doses adicionais, o que deve garantir o abastecimento do país até 2020, segundo a pasta. Conforme declarou Oliveira, o governo deve anunciar em breve, talvez já na próxima semana, uma nova estratégia de vacinação contra o sarampo. A proposta vem sendo definida com base nessa estimativa sobre brasileiros não vacinados.

Campanha de outubro

O sarampo ganhará destaque na tradicional campanha de vacinação do ministério em outubro.
"A estratégia de outubro está sendo delineada justamente com foco no sarampo. Faremos reunião com as secretarias estaduais e municipais, na próxima semana teremos reunião com os coordenadores de imunização de todos os estados, estamos discutindo com a OMS, e com o conselho nacional de secretários estaduais e municipais, para estabelecer essa estratégia conjunta de vacinação em etapas. Principalmente contra o sarampo", diz Oliveira. Uma das prioridades da campanha é dar maior atenção às populações mais vulneráveis. Por isso, Oliveira afirmou que não é necessário vacinar novamente pessoas que já receberam as duas doses obrigatórias da vacina.

Postar um comentário

0 Comentários