Suzane Von Richthofen terá história contada em dois filmes com versões diferentes

PARCEIROS DO SITE


 

Suzane Von Richthofen terá história contada em dois filmes com versões diferentes



Carla Diaz em foto publicada no Instagram e Suzane von Richthofen durante saída temporária da prisão, no Dia dos Pais em 2018 — Foto: Reprodução/Instagram e Luara Leimig/TV Vanguarda
A história de Suzane von Richthofen, jovem que planejou o assassinato dos pais em outubro de 2002, será contada em dois filmes, conforme anunciou a Galeria Distribuidora. Antes previsto para ser lançado em 2019, o filme “A menina que matou os pais” ficou para 2020 e chegará aos cinemas acompanhado de “O menino que matou meus pais”. O segundo longa vai relatar a mesma história, mas contada sob um ponto de vista diferente. Ambos chegarão aos cinemas em 2020, serão lançados no mesmo dia e terão suas sessões alternadas nas mesmas salas. “É um caso único no cinema mundial essa produção exatamente da mesma história, porém com olhares diferentes. É uma oportunidade para o público analisar e chegar à sua própria conclusão sobre os fatos". A produção não tem relação com nenhum dos autores do crime e tem como fonte os autos do processo. “Temos discutido muito internamente o que é verdade. O que ela fala e o que ele fala. É verdade? Se eles estão falando coisas diferentes, qual é a verdade?".

O crime

Manfred e Marísia foram mortos a pauladas enquanto dormiam. O crime foi cometido pelos irmãos Daniel e Cristian Cravinhos, à época namorado e cunhado de Suzane. Ela foi condenada a 39 anos de prisão por ter sido considerada mentora da ação. Daniel Cravinhos já cumpre pena no regime aberto. Cristian estava no mesmo regime, mas foi preso em 2018 por posse ilegal de munição após se envolver em uma confusão em um bar de Sorocaba (SP).

Postar um comentário

0 Comentários