Abner Teixeira vence e garante primeira medalha do Brasil no boxe

PARCEIROS DO SITE


 

Abner Teixeira vence e garante primeira medalha do Brasil no boxe

 Jordaniano começou melhor, mas se cansou e viu brasileiro crescer no duelo

O pugilista Abner Teixeira garantiu a primeira medalha do boxe brasileiro em Tóquio 2020 nesta sexta-feira (30), ao vencer o jordaniano Hussein Iashaish nas quartas de final da categoria até 91 kg. Ele lutará pela semifinal contra o cubano Julio la Cruz no dia 3 de agosto, às 6h50 (horário de Brasília) e já tem, pelo menos, o bronze assegurado (o boxe medalha o 3º e 4º colocado nas competições). 

O duelo começou bem movimentado. Hussein encurtou a distância, se impôs e encaixou mais golpes. O brasileiro conseguiu reagir, mas o jordaniano conseguiu vencer o round por diferença mínima na pontuação.   No segundo round, Hussein demonstrou cansaço e acabou apanhando mais do brasileiro, que se aproveitou da sua envergadura superior para vencer. O último round seguiu o mesmo roteiro. Abner pressionou, encaixou uma sequência de cruzados e conseguiu a pontuação necessária para vencer o combate em decisão dividida dos juízes.  

Além de Abner, outros três brasileiros estão nas eliminatórias e podem trazer mais medalhas ao Brasil. Dois deles, Hebert Conceição e Beatriz Ferreiratambém chegaram às quartas de final e só precisam de mais uma vitória para assegurar pelo menos a medalha de bronze.

Hebert, na categoria até 75 kg, enfrentará o cazaque Abilkhan Amankul, às 6h18 deste domingo (1º), enquanto Beatriz, favorita ao ouro, volta ao ringue na próxima terça-feira (3), às 5h (horário de Brasília), contra a uzbeque Raykhona Kodirova. Neste sábado (31), às 6h18, Wanderson de Oliveira, fará sua estreia na categoria até 63 kg contra o bielorrusso Dzmitry Asanau. 

Em ascensão meteórica desde o início da década passada, o boxe tem sido um dos esportes que mais rende medalhas ao Brasil e, com a vitória de Abner, consegue o feito de medalhar pela terceira Olimpíada consecutiva.

Em Londres 2012, depois de jejum de 44 anos desde o bronze em México 1968, os boxeadores brasileiros conquistaram dois bronzes e uma prata. Na Rio 2016, o ouro inédito veio com Robson Conceição. A favorita brasileira ao título nesta edição é Beatriz Ferreira, campeã mundial e ouro no Pan-Americano em 2019.

Postar um comentário

0 Comentários