Como resiste o Vale do Panjshir, única província do Afeganistão não dominada pelo Talibã

PARCEIROS DO SITE


 

Como resiste o Vale do Panjshir, única província do Afeganistão não dominada pelo Talibã

 Enquanto os Talibãs se firmam no Afeganistão, há uma região remota cuja resistência ao grupo militante remonta a décadas. Agora, o último posto fora do controle do grupo está sob ameaça.

O Talibã tem concentrado forças na província de Panjshir e arredores, a única que não caiu ao controle dos militantes. Nesta segunda-feira (23), o Talibã disse que havia capturado três distritos no Vale do Panjshir.

Aqui está o que você precisa saber sobre o movimento de resistência em Panjshir.

Onde está o Vale do Panjshir?

O Vale do Panjshir, localizado a cerca de 150 quilômetros ao norte de Cabul, é o epicentro da guerrilha afegã.

O vale resiste há muito tempo à ocupação estrangeira: o exército do Império Britânico foi incapaz de penetrar na região durante sua tentativa de tomar o Afeganistão no século 19.

Nos anos 80, combatentes que defendiam o vale sob a liderança de Ahmad Shah Massoud conseguiram manter as forças soviéticas à distância, mesmo quando a URSS controlava Cabul e grandes extensões do resto do país.

A paisagem do Vale do Panjshir desempenha um papel em seu sucesso defensivo. Entremeado na cordilheira Hindu Kush e acessível apenas por meio de um estreito desfiladeiro, as forças locais há muito tempo aproveitam sua localização remota como uma vantagem em relação aos invasores.

Antes da tomada do Afeganistão pelo Talibã, os líderes da província de Panjshir haviam apelado ao governo afegão em Cabul para que lhes concedesse mais autonomia.

A maioria da população do vale é de etnia tajiks, enquanto os talibãs são, em grande parte, pashtuns.

Imagem do Vale Panjshir, no Afeganistão, mostra como região é isolada pelas montanhas / UN Photo/Homayon Khoram

O que é a Aliança do Norte?

Depois que os soviéticos se retiraram do Afeganistão em 1989, várias facções de mujahedeen – ou guerreiros santos islâmicos – se dividiram em grupos, lutando pelo controle do país.

A partir deste caos, Massoud formou a Aliança do Norte, uma coalizão de forças uzbeques e tajiques. Por algum tempo suas forças ocuparam Cabul, mas foram acusadas de abusos dos direitos humanos.

A maior parte do país caiu para o Talibã em 1996. Mas a Aliança do Norte, sob a liderança de Massoud, conseguiu manter o Vale Panjshir livre do controle do grupo militante durante os cinco anos de governo.

Conhecido como o “Leão de Panjshir”, Massoud liderou uma ofensiva anti-Talibã até ser assassinado por agentes da Al Qaeda dois dias antes dos ataques de 11 de setembro de 2001. O analista de segurança nacional da CNN, Peter Bergen, chamou o incidente de “cortiça de fumaça para os ataques à cidade de Nova York e Washington DC que se seguiram”.

A coalizão é agora liderada pelo filho de Massoud, Ahmad Massoud, que prometeu continuar a luta contra o Talibã depois de sua quase tomada do Afeganistão.

Em um editorial para o jornal americano “Washington Post” na semana passada, Massoud, 32 anos, apelou às forças ocidentais para que ajudassem nessa luta, dizendo que membros das forças militares afegãs – incluindo algumas das unidades das Forças Especiais de elite – tinham se mobilizado na causa.

“Temos estoques de munição e armas que coletamos pacientemente desde o tempo de meu pai, porque sabíamos que este dia poderia chegar”, escreveu ele. “Se os senhores da guerra talibãs lançarem um ataque, é claro que eles enfrentarão uma forte resistência da nossa parte”, disse ele.

O ex-vice-presidente afegão Amrullah Saleh – que nasceu em Panjshir e treinou lá antes de eventualmente liderar a agência de inteligência do Afeganistão – fugiu para Panjshir depois que Cabul caiu para o Talibã.

Mas o campo de jogo mudou rapidamente, com a área montanhosa ao norte da capital agora infiltrada pelas forças do Talibã e com bloqueios às linhas de abastecimento cruciais para a região.

Wazir Akbar Mohmand, um ex-major do Exército Nacional Afegão que se juntou à oposição de Panjshir, disse em um tweet na segunda-feira: “Atirador furtivo, bloqueia a posição da artilharia e 20 mil soldados prontos para lutar”.

No sábado, o escritor francês Bernard-Henri Levy, que há muito tempo apoia a Aliança do Norte, tuitou “Acabei de falar com Ahmad #Massoud ao telefone. Ele me disse: ‘Sou o filho de Ahmad Shah Massoud; a rendição não faz parte do meu vocabulário'”

Panjshir cairá perante o Talibã?

Na segunda-feira, o Talibã alegou ter capturado três áreas do Vale Panjshir da Aliança do Norte, com o porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, tuitando que “os distritos de Banu, Bel Hisar e De Salah foram completamente limpos do mal”.

Durante o fim de semana, o Talibã moveu reforços para a região, apelando para que a Aliança do Norte e seu líder se rendessem. “Os Mujahideen de Badakhshan, Takhar e Baghlan estão agora estacionados no portão do Panjshir”, disse Zabihullah.

Ele negou a alegação de Saleh de que o estratégico Salang Pass tinha sido bloqueado, dizendo que estava aberto e que “o inimigo está sitiado no estado”.

O porta-voz do Talibã também disse: “O Emirado Islâmico procura resolver a crise pacificamente”.

Outro porta-voz do Talibã, Suhail Shaheen, disse: “Conquistar Panjshir pela força será a última opção, pois isso é contra nossas políticas. Tentaremos ao máximo para não ir por esse caminho”.

Em uma entrevista com a Reuters no domingo, Massoud disse que estava aberto às negociações desde que o Talibã prometesse um governo inclusivo, mas que seus apoiadores estavam prontos para lutar se o Talibã tentasse invadir o vale.

“Eles querem defender, querem lutar, querem resistir contra qualquer regime totalitário”, disse Massoud.

Os anciãos de Panjshir estiveram em Cabul nos últimos dias, explorando possíveis compromissos. Mas até agora seus esforços não foram bem sucedidos.

No domingo, um porta-voz da Frente Nacional de Resistência de Massoud (NRF) disse que eles acreditam que um governo descentralizado era a “única solução”.

“Somos a favor da paz – mas paz não significa rendição às exigências dos inimigos e uma força para dominar a política do país. Nossas condições para uma paz duradoura no Afeganistão são descentralização do poder e da riqueza, democracia, pluralismo político e cultural, islamismo moderado e igualdade de direitos e liberdade para todos os cidadãos”, disse o porta-voz da NRF, Ali Nazary, à CNN.

Nazary acrescentou que a NRF acredita que “a ameaça do terrorismo internacional está aumentando, e mais uma vez ameaçará os interesses e o solo dos EUA”. Ele apelou ao Ocidente para “cooperar com a NRF, para evitar que outro 11 de setembro aconteça”.

Postar um comentário

0 Comentários