Volta precoce à vida normal pode ameaçar fim da pandemia no Brasil

PARCEIROS DO SITE


 

Volta precoce à vida normal pode ameaçar fim da pandemia no Brasil

 São Paulo anunciou flexibilização de boa parte das medidas hoje em vigor

Conforme a maioria dos estados já atingiu ou se aproxima de 50% da população com a primeira dose de vacina contra a covid-19, prefeitos e governadores já preveem um afrouxamento das restrições que não era visto desde o começo da pandemia.

Na visão de especialistas, a cobertura de apenas 20% das pessoas com o esquema vacinal completo e o avanço da variante Delta do coronavírus tornam o momento delicado para pensar em uma flexibilização tão ampla.

A primeira preocupação tem justamente relação com a vacinação e a variante Delta do coronavírus, muito mais transmissível.

As vacinas usadas no Brasil conferem boa proteção contra a cepa, desde que o indivíduo tenha tomado as duas injeções — exceto para a da Janssen, que é de dose única.

Usar a taxa de 50% da população com uma dose de vacina como parâmetro a fim de atestar a segurança de uma eventual retomada das atividades é visto por especialistas como algo arriscado, até porque não é possível garantir qual  percentual dos que receberam uma dose retornará para a segunda.

A doutora em epidemiologia e professora da Ufes (Universidade Federal do Espírito Santo) Ethel Maciel teme que a sensação de volta à normalidade diminua a procura pela segunda dose das vacinas, o que naturalmente já é um desafio para o programa de imunização.

"Em geral, a pessoa toma uma dose a acha que está protegida, então ela acaba diminuindo as medidas de proteção. É importante a gente dizer que essa variante Delta tem impacto na eficácia dessas vacinas. [...] Quando ela tem uma dose apenas ela não é considerada vacinada, para ser considerada vacinada, tem que ter o esquema completo."

Dados atualizados do Ministério da Saúde até sexta-feira (6) mostram que 52,8 milhões de brasileiros com mais de 18 anos ainda não tomaram uma dose sequer de vacina. Outros 63,3 milhões precisam tomar a segunda dose.

Postar um comentário

0 Comentários