Aviões da mesma companhia quase se chocam, com 381 a bordo

PARCEIROS DO SITE


 

Aviões da mesma companhia quase se chocam, com 381 a bordo

 

Espanha: relatório sobre quase colisão na pista entre aviões da Ryanair

Espanha: relatório sobre quase colisão na pista entre aviões da Ryanair

A Comissão de Investigacão de Acidentes e Incidentes de Aviação Civil da Espanha (Ciaiac) divulgou nesta semana o relatório final de um acidente que por pouco não se transformou em uma tragédia envolvendo duas aeronaves da mesma companhia.

O Boeing 737-800 da Ryanair, de registro EI-ENH, realizava o voo FR-9893 de Málaga, na Espanha, para Liverpool, no Reino Unido.

Estavam a bordo 190 passageiros e seis tripulantes. O avião foi liberado pelo controlador de voo para decolar da pista 13 de Málaga e chegou a iniciar a decolagem.

Simultaneamente, outro Boeing 737-800 da Ryanair, este de registro EI-DYR, cumpria o voo FR-4058 de Hamburgo, na Alemanha, para Málaga com 179 passageiros e seis tripulantes.

O avião estava na aproximação final da mesma pista 13 de Málaga, liberado para o pouso.

Por sorte, a aeronave pousou na pista 13 antes que o outro Ryanair completasse a corrida para a decolagem.

A investigação apurou que o incidente ocorreu porque uma aeronave recebeu autorização para pousar em uma pista ocupada por outra aeronave em processo de decolagem, sem respeitar as distâncias regulamentares.

"A sequência de eventos descrita acima levou a uma perda de separação [entre os aviões] e, dado que ambas as aeronaves estavam na pista ao mesmo tempo, uma incursão na pista", diz a Ciaiac no documento.

O planejamento deficiente do controlador de tráfego aéreo, que aproveitou o intervalo entre dois pousos para autorizar a decolagem, foi considerado um fator contribuinte para o incidente.

Além disso, dado o perigo imediato que representou a perda da separação regulamentar, considera-se também um fator a ausência de tomada de decisão (para cancelar a decolagem, por exemplo) por parte do controlador de tráfego aéreo.

Investigações aeronáuticas não apontam culpados, mas indicam os fatores contribuintes para a ocorrência. 

O documento detalha:

"A aeronave EI-DYR em aproximação com o indicativo RYR9UD notificou o controlador de tráfego aéreo que estava avançando para 500 pés às 19:53:21. O controlador de tráfego aéreo respondeu à aeronave RYR9UD, instruindo-a a continuar e aguardar autorização para pouso tardio.

"Nesse momento, a aeronave RYR9UD foi estacionada na final a 1,7 NM da cabeceira da RWY 13 e a aeronave RYR75JV estava taxiando em direção à RWY 13. O controlador de tráfego aéreo não reconheceu o perigo iminente decorrente da perda da separação regulatória e seguiu com a manobra inicial do plano, instruindo a aeronave a continuar a aproximação sem informar a aeronave que estava prestes a decolar."

O relatório sobre o incidente, ocorrido em 11 de setembro de 2019, segue:

"O controlador de tráfego aéreo poderia ter evitado uma perda de separação e, portanto, uma situação potencialmente perigosa entre a entrada e a cabeceira da pista, tráfego de saída em uma configuração de pista única, instruindo o tráfego de chegada a abortar sua aproximação e cancelando a decolagem da aeronave em taxiamento.

"O pouso foi autorizado quando a aeronave estava praticamente acima da cabeceira da pista, permitindo que ela cruzasse a referida cabeceira enquanto a aeronave de saída ainda estava na pista. Além disso, não havia grau de garantia de que a separação regulatória poderia ser mantida, pois a aeronave em aproximação estava viajando mais rápido que a aeronave na decolagem, reduzindo cada vez mais a separação entre as aeronaves. O controlador de tráfego aéreo não previu a separação necessária entre as aeronaves.

"A aeronave EI-DYR pousou na pista com uma velocidade de solo de 141 nós. Por sua vez, a aeronave EI-ENH estava em sua corrida de decolagem executando a manobra de rotação, com velocidade no solo de 157 kt. A distância entre as duas aeronaves foi de 520 m (0,28 NM). Este foi o ponto de separação mínima entre as duas aeronaves", conclui o relatório, divulgado pelo Aviation Herald.

Postar um comentário

0 Comentários