Exemplo de amor: Família de Cafelândia adota seis crianças

PARCEIROS DO SITE


 

Exemplo de amor: Família de Cafelândia adota seis crianças

 

Você já sentiu bem forte no seu coração o desejo de adotar uma criança? Formar uma família, proporcionar um lar afetuoso, dar amor. Adotar é um gesto de doação e amor. E por mais que pais adotivos não esperem nada em troca, a felicidade e o amor que contar essa linda história. Em Cafelândia, região oeste do paraná, município distante 56 quilômetros de Cascavel, tem uma casa que transborda de alegria!

Roseli Decken e o marido Samuel Farias estão vivendo sem dúvida, o momento mais feliz da história do casal.

"Sempre tive o sonho de ser mãe. Eu tive uma doença, tive que fazer umas cirurgias, a retirada do meu útero e uma histerectomia total. Anteriormente a gente já pensava em adotar, ou fazer uma fertilização. E os processos foram andando juntos. Como não deu, tive q fazer a cirurgia e não tinha mais chance de fertilização, então a gente procedeu com o processo de adoção.  Primeiro a gente pensava em adotar dois, depois conversando a gente resolveu mudar esse processo pra mais", explica a mãe, Roseli.

Na casa da família, são seis crianças, todas adotadas. Renan, de 10 anos, Vitória, de 7 anos, Alice de 6 anos, Antonela, de 5 anos, Helena, de 3 anos, e Valentim, o mais novo, de 2 anos. 

Logo que a equipe de reportagem chegou, Valentim ficou apreensivo e foi para o colo da mãe. Depois Roseli explicou que é assim sempre que chega alguém que não é da família. O pequeno tem medo de ser levado embora. O mesmo acontecia com os irmãos nas primeiras semanas no novo lar, sempre que chegava uma visita. Aos poucos eles estão se sentindo mais seguros. Há oito meses a chegada dos seis irmãos mudou a rotina da casa.

"No começo eu imaginava que seria mais difícil, pelo fato do meu esposo trabalhar bastante fora. Eu não tenho família aqui mas eu tenho pessoas maravilhosas que me apoiam. A casa se tornou um pouco pequena mas a gente se adaptou. Eu pensava, será que quando eu for fazer comida pra eles será que eu vou fazer quantidade suficiente, e não, pra mim é normal, natural", conta a mãe.

O processo de adoção do início até a guarda definitiva, vejam que coincidência interessante, durou o tempo de uma gestação. Exatamente 9 meses. Foram 6 meses de trâmites do processo de adoção, e depois de confirmar o desejo de adotar essa turminha linda, o casal recebeu a guarda provisória dos irmãos. Após mais 3 meses, veio a guarda definitiva.

"A gente fez todos os trâmites, fez os cursos, passou pela psicóloga, tudo q é normal para entrar no processo de adoção. Alguns meses depois a gente recebeu uma ligação da psicóloga do fórum de Marechal Cândido Rondon, que tinha umas crianças a serem adotadas. No mesmo dia a gente recebeu mais duas ligações de cidades diferentes e em nenhum momento nós pensamos em desistir da primeira ligação. Nós sabíamos que eram mais crianças também e que a responsabilidade era maior", detalha Roseli.

Os seis irmãos já estavam há quase dois anos na casa lar de Marechal Cândido Rondon. E felicidade é o que não falta agora pra essa grande família. 

Veja mais detalhes na reportagem exibida no Tarobá Cidade.

Postar um comentário

0 Comentários