Região: Atrasos de salários e ambulâncias sucateadas prejudicam atendimento do Samu na região

PARCEIROS DO SITE


 

Região: Atrasos de salários e ambulâncias sucateadas prejudicam atendimento do Samu na região

Mais de 10 municípios da região estão com o atendimento do Samu (Serviços de Atendimento Móvel de Urgência) prejudicado devido ao estado precário das ambulâncias, tanto do suporte básico quanto do avançado, por falta de manutenção. Além disso, os funcionários estão tendo seus salários atrasados há pelo menos três meses. A promessa da empresa que administra os serviços na região, a OZZ Saúde, com sede em Curitiba, é de liberar os recursos deste mês ainda hoje (15/03). Porém, o problema preocupa os trabalhadores, que não sabem se o compromisso será cumprido e se não haverá mais atrasos. “Nossas contas não esperam”, dizem eles irritados pelas cobranças e pelos juros cobrados nos boletos não pagos nas datas previstas.

A reclamação é generalizada, porém, os funcionários preferem permanecer no anonimato por receio de represálias.

 De acordo com eles, o município de Jacarezinho é o maior prejudicado pelo sucateamento das ambulâncias. “Das duas que temos aqui, somente uma, a de suporte avançado, está rodando. Mesmo assim, em mal estado. O problema é que se tivermos um chamado na região, Jacarezinho fica desguarnecida”, explicam.

Os veículos apresentam todos os tipos de problemas mecânicos. “São antigos e muito rodados. Tem problemas com pneus, motor, parte elétrica e até de freios”, afirmam.

Desabafo – Um dos funcionários enviou um texto para a reportagem resumindo os problemas que as equipes estão enfrentando ultimamente. “Tivemos uma viatura que ficou um mês no conserto em Cornélio Procópio e quando voltou rodou duas semanas e parou de novo. Estamos usando uma reserva, que está em péssimo estado. A porta tem vãos, não tem exaustor nem ar condicionado. Pedimos para trocar os pneus da frente e nos disseram que eles ainda aguentavam mais um bom tempo”, contou.

Segundo esse trabalhador, uma ambulância se acidentou recentemente e o seguro pagou o valor devido, mas a equipe de Jacarezinho não recebeu uma substituta até agora: “Estamos sabendo, ainda, que a empresa demitiu os funcionários da limpeza  de todas a bases de sua administração, que é composta pelas regiões de Curitiba, Campos Gerais e Norte Pioneiro, no Paraná, e das de Chapecó em Santa Catarina e Salvador, Bahia”. “Se olhar no site Jus Brasil, a OZZ tem inúmero processos trabalhistas em andamento”, comentou sugerindo que os atrasos salariais e a falta de manutenção das viaturas são por conta das dificuldades financeiras que a empresa vem enfrentando por causa dos processos. “Na nossa base falta ate papel toalha e a água é fornecida pela prefeitura”, concluiu.

Principais serviços – A base regional do Samu em Jacarezinho presta serviços em 10 municípios da região. As transferências entre hospitais são os que consomem maior atenção do Samu. Os motoristas calculam que fazem cerca de 60 viagens por mês para levar pacientes a hospitais de grande porte, como em Arapongas, Londrina e Curitiba.

Já as ocorrências locais variam entre 20 e 24 por dia. “Nessa situação, não sei como estão fazendo quando a viatura está sendo usada em transferências de pacientes. Não sei se são os bombeiros ou o município que está socorrendo a população”, disse um dos funcionários.

Nota da empresa aos funcionários

Prezados funcionários, colaboradores e prestadores de serviços da OZZ Saúde, contrato e sedes administrativas

A OZZ vem por meio deste, em referência a gestão e operacionalização do SAMU esclarecer que por motivos de força maior a empresa está novamente impossibilitada operacionalmente, de proceder pagamentos e movimentações financeiras. Embora provisionados os pagamentos da empresa, as contas da empresa estão inoperantes.

Renovando nossa transparência com nossos colaboradores, informamos que a empresa poderá efetuar os pagamentos a seus colaboradores e trabalhadores apenas na data de 16 de março de 2022.

Acrescentamos, que a empresa efetuará os repasses com todos os juros e acréscimos legais a todos os seus trabalhadores.

Pedimos as mais sinceras escusas, novamente, pelos aborrecimentos que essa situação possa gerar a cada um que faz parte desta empresa.

Infelizmente, o momento conturbado que a empresa vive incorre em ações alheias a vontade da OZZ, que permitiram que tais infortúnios ocorressem, mas continuamos diariamente, tomando todas as medidas necessárias para solucionar e regularizar toda a situação de forma pontual e futura.

Permanecemos à disposição de todos, para o auxílio no que for necessário, principalmente, para que todos os direitos sejam garantidos.

Atenciosamente,

Ozz Saúde

Prefeitura de Jacarezinho

O Secretário Municipal da Saúde de Jacarezinho, João Luccas Thabet Venturine, disse que vem monitorando toda a situação do Samu na cidade, inclusive cobrando uma posição dos demais municípios e do consorcio intermunicipal de Saúde. “Com relação a remoção de pacientes em eventuais dificuldades apresentadas pelo Samu, a Secretaria da Saúde utiliza ambulâncias próprias para o trabalho, de forma que não haja nenhum prejuízo a pacientes”.

OZZ esclarece

Atendendo a reportagem do Tá No Site, o assessor de Comunicação da OZZ Saúde, sede de Curitiba, Diego Ramos, negou que a empresa esteja passando por dificuldades financeiras e que tenha dispensado funcionários. Segundo ele, o problema começou com o encerramento de um contrato que estava em vigor há cinco anos no estado de Santa Catarina, que envolvia mais de 1500 funcionário. “O problema foi ocasionado por ações sindicais de cerca de quatro categorias de trabalhadores que mantínhamos naquele estado. Os sindicatos têm como estratégia solicitar o bloqueio das contas das empresas, e é isso que está ocorrendo com a OZZ. A empresa tem o dinheiro, mas a conta está sendo bloqueada. Nosso departamento jurídico está trabalhando para entrar em acordo com o sindicato. Com esse acordo vamos acabar com os bloqueios. Infelizmente, não achávamos que o encerramento do contrato seria tão complicado”, disse. “Acreditamos que esse problema dos bloqueios está no fim e ai tudo volta ao normal. A empresa tem o dinheiro para arcar com todas as contas. Só precisamos resolver definitivamente esse impasse com o sindicato. Esta semana já conseguimos o desbloqueio da conta e já iniciamos os pagamentos concluiu.

O assessor confirmou a atuação da empresa no Paraná e a existência de um contrato menor em Salvador/Bahia.

Revolta – No final da tarde de hoje (15), alguns funcionários informaram a reportagem que o pagamento havia sido depositado, mas sem nenhum tipo de atualização. “Falaram que iam pagar juros e multas, mas não fizeram isso. A gente não tem aumento de salário já há dois anos seguidos. O vale alimentação também não foi reajustado. E agora, ainda temos que arcar com os atrasos nos pagamentos de nossas contas mensais. Estamos revoltados.”

Fonte: Gladys Santoro - Tá No Site

Postar um comentário

0 Comentários