Agentes públicos são condenados a até 39 anos de prisão após desvios de recursos em Pato Branco

PARCEIROS DO SITE


 

Agentes públicos são condenados a até 39 anos de prisão após desvios de recursos em Pato Branco

 


 A partir de denúncia oferecida pelo Ministério Público do Paraná, por meio do Núcleo de Francisco Beltrão do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), a Justiça condenou dois ex-agentes públicos do Município de Pato Branco, no Sudoeste do estado, por crimes de peculato apurados no âmbito da Operação Hígia. Os réus são o ex-secretário de Administração e Finanças e o ex-diretor do Departamento de Iluminação Pública na época dos fatos apurados (gestões 2013/2016 e 2017/2020), e as penas fixadas foram, respectivamente, de 39 anos e 14 anos, 5 meses e 10 dias de reclusão em regime fechado. Deflagrada em 2017, a Operação Hígia apura crimes contra a administração pública em Pato Branco e outros municípios da região.


De acordo com as investigações, os dois réus – agora condenados –, enquanto estiveram à frente dos cargos públicos, desviaram valores do erário por meio da emissão de notas fiscais de produtos relacionados à iluminação pública. A partir dos atos ilícitos, o Município de Pato Branco efetuou pagamentos sem a entrega dos produtos.

A decisão judicial também determinou que os dois ex-agentes públicos reparem os prejuízos, pagando as quantias de R$ 441.121,55, no caso do ex-secretário, e R$ 221.121,55 para o então diretor (valores que deverão ser corrigidos monetariamente).

A sentença é a terceira relativa aos fatos apurados na Operação Hígia, a partir da qual tramitam outros inquéritos policiais atualmente em andamento no Núcleo de Francisco Beltrão do Gaeco. Cabe recurso da decisão.

Com informações do MPPR.  VIA BLOG DO ODAIR MATIAS

Postar um comentário

0 Comentários